24 de maio

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
19/12/23 às 9h33 - Atualizado em 19/12/23 às 9h33

Túnel Rei Pelé transforma e dá ordem ao Centro de Taguatinga

COMPARTILHAR

“Quem viu o Centro de Taguatinga no passado e quem vê como a região está hoje não acredita no que aconteceu aqui.” A frase do aposentado Valdecides Pereira Marques não esconde sua admiração diante de tantas mudanças. Aos 64 anos, 30 deles vividos nas proximidades da Praça do Relógio, o homem conta que o coração de uma das maiores cidades do Distrito Federal passou por uma transformação sem precedentes.

O processo de transformação do Centro de Taguatinga é fruto de um estudo de impacto de vizinhança (EIV), análise que leva em consideração a influência da construção do Túnel Rei Pelé em um raio de 17,8 hectares | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

“Mudou tudo, né? As obras de infraestrutura deram mais mobilidade tanto para o pedestre quanto para o motorista. O trânsito está fluindo dez vezes melhor”, garante Valdecides. “Fora que, em termos de beleza, o centro está mais bonito, moderno. Parece outra cidade. A gente sabe que toda obra traz transtorno, tem aquele período difícil. Mas foi um desconforto que, no fim das contas, trouxe coisas boas, beneficiou toda a população.”

O processo de transformação do Centro de Taguatinga, que tanto surpreende o aposentado, começou em julho de 2020, quando as obras do Túnel Rei Pelé saíram do papel. O complexo viário formado por uma passagem subterrânea, duas pistas marginais e um boulevard foi criado para substituir a antiga Avenida Central, famosa por exigir paciência e atenção dos motoristas que precisam atravessar a cidade.

O secretário de Obras do Distrito Federal, Luciano Carvalho comenta: “Calçadas acessíveis, estacionamento organizado, recuperação de vias, paisagismo… As obras não acabaram. E vão continuar até que a área esteja totalmente recuperada” | Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

Histórico de caos

Com um fluxo de aproximadamente 137 mil veículos por dia, a Avenida Central era caótica. Carros, caminhões e ônibus disputavam espaço com pedestres em oito faixas de rolamento, quatro seguindo em direção à Avenida Elmo Serejo e outras quatro rumando à Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Motoristas que estavam de passagem para outras cidades se viam presos em um trânsito formado por aqueles que queriam acessar o comércio local.

‌A falta de padronização dos estacionamentos da via também deixava o tráfego lento. Enquanto algumas vagas estavam dispostas às margens do comércio, outras ficavam no canteiro central da avenida, obrigando os pedestres a atravessarem as pistas. Os problemas eram tantos que restou ao Governo do Distrito Federal (GDF) uma única opção: construir um túnel na cidade, projeto que estava engavetado há mais de dez anos.

Foram três anos de obra e R$ 275 milhões investidos até que o complexo viário ficasse pronto. Por debaixo da terra, o Túnel Rei Pelé oferece seis faixas de rolamento para carros e motos que estão de passagem, melhorando o deslocamento entre a Elmo Serejo e a EPTG.

O comerciante Américo Alves da Silva está animado com as mudanças: “Estou neste ponto há 37 anos e posso dizer que a situação melhorou muito”  | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Na superfície, conhecida como boulevard, pistas exclusivas do BRT agilizam a viagem de quem precisa chegar a outras cidades, como Ceilândia, Águas Claras e Plano Piloto. O complexo ainda é formado por duas pistas marginais que servem a carros e linhas de ônibus locais que atendem as áreas comercial e residencial do centro.

Tudo novo de novo

“Precisamos destruir o Centro de Taguatinga para construir o Túnel Rei Pelé, tamanha a grandiosidade do projeto”, comenta o secretário de Obras do Distrito Federal (SODF), Luciano Carvalho. “Ao refazê-lo, aproveitamos para resolver outros problemas da região. Calçadas acessíveis, estacionamento organizado, recuperação de vias, paisagismo… As obras não acabaram. E vão continuar até que a área esteja totalmente recuperada.”

‌A requalificação urbana do Centro de Taguatinga é fruto de um estudo de impacto de vizinhança (EIV), análise que leva em consideração a influência da construção do Túnel Rei Pelé em um raio de 17,8 hectares. Chefe da Unidade Especial de Projetos de Edificações e Urbanismo (Uneurb) da SODF, Clebiana Silva explica que as ações mitigadoras ajudam a melhorar o acesso ao complexo viário.

O complexo que compreende o Túnel Rei Pelé é formado por duas pistas marginais que servem a carros e linhas de ônibus locais que atendem as áreas comercial e residencial do Centro de Taguatinga | Foto: Anderson Parreira/Agência Brasília

Os trabalhos de recuperação começaram a ser feitos nas marginais no Túnel Rei Pelé. “Já finalizamos a construção dos estacionamento, faltando apenas concluir a sinalização. Em termos de número de vagas, não houve perda – apenas organizamos e padronizamos tudo”, afirma a engenheira. “Também iniciamos a reconstrução das calçadas, todas com acessibilidade e seguinte um mesmo padrão.”

Os novos passeios têm uma faixa livre com 2 m a 3 m de largura. Entre a pista e espaço destinado à circulação de pedestres, uma área de serviço de 70 cm, feita em bloquetes, alerta os deficientes visuais para os limites da calçada. “É nela que instalamos balizadores e sinalizações”, observa Clebiana. O acesso às lojas, com degraus e rampas, também está sendo feito pelo GDF. De um total de 17 mil m² de passeio, 7 mil m² já foram executados.

De acordo com a engenheira, o próximo passo a ser dado é a contratação do projeto de paisagismo e de mobiliário urbano para o piso superior do Túnel Rei Pelé. “O boulevard ainda está árido, estamos atentos a isso. Vamos estudar o plantio de vegetações que ofereçam algum tipo de sombreamento, dentro das possibilidades”, ressalta Clebiana. “Também teremos lixeiras, paraciclos e bancos no local.”

Para além do túnel

Terminada a requalificação urbana das marginais, as obras vão extrapolar o perímetro do complexo viário e atingir as ruas adjacentes ao Túnel Rei Pelé, como a Avenida das Palmeiras, e até a Praça do Relógio, que passará por uma grande reforma.

‌Um montante de R$ 5,5 milhões vai custear as melhorias no ponto histórico mais icônico de Taguatinga, que vai ganhar piso novo e um número maior de rampas de acesso. A fonte e o espelho d’água da praça também passarão por reformas. Já os canteiros serão contornados por muretas com 45 cm de altura que poderão ser usadas como banco.

Dono de uma lanchonete no Centro de Taguatinga, o comerciante Américo Alves da Silva, 74, está animado com as mudanças. “Estou neste ponto há 37 anos e posso dizer que a situação melhorou muito”, garante. “Não tem mais aquele amontoado de carro, o visual ficou mais limpo e as calçadas estão ficando muito boas. Ainda tem muito serviço pela frente, mas estou gostando do que tenho visto.”

 

(Com Informações da Agência Brasilia)

Mapa do site Dúvidas frequentes