28 de janeiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
12/12/22 às 10h25 - Atualizado em 12/12/22 às 10h26

Paredes internas do Túnel de Taguatinga passam por última correção

COMPARTILHAR

O revestimento das estruturas internas do Túnel de Taguatinga com placas cimentícias caminha em direção ao fim. Com isso, outro serviço está com os dias contados para terminar. É o grauteamento, processo de retificação das paredes diafragmas que tem sido executado desde a abertura da passagem subterrânea. O trabalho é bastante comum em construções que usam a técnica da escavação invertida.

 

Operários utilizam na obra um composto de cimento Portland, areia de quartzo e aditivos especiais | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

A abertura do Túnel de Taguatinga foi feita com esse método, de forma confinada. Isso quer dizer que a construção das paredes diafragmas e da laje superior antecedeu a escavação da passagem. Conforme a terra era retirada, deixando as estruturas de contenção expostas, os engenheiros podiam observar pequenos buracos e fissuras que precisavam ser corrigidos.

“Usamos o graute para fazer a retificação desses sulcos – é um concreto fluido de alta resistência, composto de cimento Portland, areia de quartzo e aditivos especiais”, explica o engenheiro civil Samuel Teles, responsável pela supervisão da obra. “O concreto convencional é feito com material mais graúdo, não serve para a correção de pequenas imperfeições.”

 

"O processo de grauteamento começa com a limpeza da superfície a ser retificada. “Usamos jatos de água sob pressão para esse serviço”, conta o engenheiro civil Antônio Carlos Ribeiro Silva, da Secretaria de Obras e Infraestrutura. “Depois de secar a parede, montamos a forma, preparamos o microconcreto [outro nome dado ao graute] e preenchemos as fissuras.”

(Com informações da Agência Brasilia)

 

 

 

Mapa do site Dúvidas frequentes