19 de fevereiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
13/02/20 às 8h25 - Atualizado em 13/02/20 às 8h26

Paradas de ônibus em Taguatinga ganham vida com grafite

Temática social, muitas cores e grafite. Essa trinca é responsável pela frente de transformação das paradas de ônibus em Taguatinga. Trata-se de uma alteração da paisagem para melhor, uma iniciativa da administração local, que resolveu colocar a mão na massa, literalmente, e pintar os abrigos onde os usuários aguardam a chegada do transporte todos os dias.

Ao todo, 36 espaços foram revitalizados nos últimos seis meses. Eles chamam a atenção de quem cruza as ruas da cidade. É o que pode ser visto nas avenidas QNJ e QNL, Hélio Prates e Pistão Sul.

Antes marcadas por sujeira, cartazes colados e poluição visual, as paradas de ônibus se transformaram em locais em que, por meio da arte, se desperta a reflexão para assuntos pontuais. “Ouço a população cada vez que pinto uma parada e vou pegando os temas de que eles mais falam”, resume o responsável pela renovação dos abrigos, Fernando Cordeiro, conhecido como Elom.

Memória e temas pontuais

“O Mercado Norte tem toda uma história, assim com a SAB, que era um mercado público bem tradicional”, comenta Elom. “Esse trabalho é para resgatar a memória da cidade e ficar registrado nas paradas de ônibus, além de falar sobre temas importantes, como o combate à violência contra a mulher.”

Servidor da Administração de Taguatinga, Elom dá vida ao projeto Arte nas Paradas, destinado à melhoria desses ambientes. O material para a pintura dos abrigos é dividido entre os próprios funcionários da administração ou em parceria com a comunidade, que faz doações. No fim, ganham todos, com paradas de ônibus mais atraentes.

Até o momento, já foram revitalizados 40 espaços. Em média, o trabalho em um abrigo leva um dia para ser concluído. A meta, porém, é ambiciosa. “Queremos reformar todas elas”, informa o administrador de Taguatinga, Geraldo Cesar de Araújo, que reforça a meta de Elom: “Nesses espaços, aproveitamos para tratar de temas compatíveis com a comunidade e o ambiente em que vivem”.

Dia a dia, essa arte a céu aberto tem conquistado moradores e o público em geral. É o caso do vigilante Daniel Castro, que, ao apreciar as pinturas, aproveitou para observar: “Falta educação por parte da população. Assim fica um ambiente mais legal. Melhor assim do que com os cartazes”.

Com informações da Agência Brasília

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros